11 de dezembro de 2018
Descubra quanto de Mata Atlântica existe em você!

CERES VISIA: UM OLHAR FEMININO NA PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL

(Foto: Ju Rybzinski)

As fábricas de cervejas especiais brotam por todos os cantos de Curitiba. O gosto pela bebida ganhou espaço e, rompendo estereótipos, é também muito apreciado pelas mulheres. A partir disso, a diretora de eventos da Rede Empresarial do Centro Histórico de Curitiba, Francielle Zuffo, convidou o Coletivo Sibilas para visitar e registrar o processo de fabricação em três cervejarias da cidade e região. O convite abriu as portas para uma exposição fotográfica no V Festival de Inverno de Curitiba.

Seis olhares que se mesclam nas peculiaridades com resultados surpreendentes, que vão além de um simples registro do ambiente cervejeiro. No repertório percebe-se que não há formalidades aos retratos habituais, não existe nada institucional, ou relação com a ética do recuo documental. Vemos um mergulho imagético envolvente e repleto de referências ao cinema – do psicodelismo crítico do The Wall de Pink Floyd, às linhas futuristas do cult Star Wars – e à arte conceitual, da repetição de formas e cores da pop art, ao surrealismo de Dali.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“A princípio, não tínhamos uma estratégia definida de como fotografar, porque nenhuma de nós fazia ideia do que encontraria por lá. A maior surpresa foi a emoção das meninas, inclusive a minha, ao chegarmos à primeira cervejaria. O sentimento foi quase o mesmo de uma criança, visitando a Fantástica Fábrica de Chocolates do Willy Wonka”, garantiu Lu Berlese.

Para Janine Bello, acompanhar o processo como um todo nas cervejarias mostrou inúmeras possibilidades. “Nunca fui apreciadora de cervejas, então o projeto me apresentou um universo do qual ainda não conhecia, fiquei encantada! Foi incrível, fomos tateando juntas nessa descoberta, de uma forma leve e com muitas risadas”, declarou a fotógrafa.


Origem do nome

Segundo a mitologia greco-romana, Ceres é considerada deusa da agricultura ou dos grãos. Da expressão Ceres Visia, ou “aos olhos de Ceres” surgiu a palavra cerveja. Para os povos antigos a bebida era um fenômeno divino, pois não se sabia como ocorria a fermentação e suas propriedades inebriantes eram consideradas uma ponte com o plano espiritual. Nada mais apropriado para nomear essa exposição que une o olhar feminino sobre a produção de cervejas.

O Coletivo é composto por: Isa Vellozo, Janine Bello, Johanna Lieskow, Ju Rybzinski, Lu Berlese e Tati Dellani, que além do amor pela fotografia, têm em comum a paixão pela cerveja.

Serviço
Local: Hostel Roma
Endereço: Rua Barão do Rio Branco, 805 – Centro
Data: 13 de Julho – quinta-feira
Hora: 19h30
Informaçõeswww.centrohistoricodecuritiba.com.br
Entrada Franca

 

*por Fabiano Ferreira

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta